ZONA DE TRANSIÇÃO NA LOJA, JÁ OUVIU FALAR?

por Editor MC15 em 17 de março de 2019

Cristina Saito

 

Na MC15 Enviroell já realizamos vários testes de pontos extras localizados logo na entrada da loja e, apesar do alto fluxo, quase nenhum shopper olha para estas execuções.

E o motivo é que quando os shoppers entram em uma loja, eles estão ocupados se adaptando: diminuem o ritmo, ajustam os olhos à mudança de luz e de escala e esticam o pescoço para começar a absorver tudo o que há pra ver.

Nesse intervalo, suas orelhas, narizes e terminações nervosas estão selecionando os demais estímulos – analisando sons e odores, avaliando se dentro da loja está quente ou frio. É muita coisa acontecendo e os shoppers ainda não estão realmente na loja.

Passados alguns segundos, é possível perceber que o shopper diminui a marcha e passa do estágio de “estar do lado de fora” para “estar do lado de dentro” da loja. Isso significa que tudo o que está na zona que estas pessoas atravessam antes de fazer a transição não as atinge.

ESTA É A ZONA DE TRANSIÇÃO.

Se houver um display de mercadorias, os shoppers não o notarão. Se houver um cartaz, estarão andando rápido demais para lerem. Se algum vendedor abordar com um “posso ajudar”, a resposta será não. Porém, se transferir tudo para 3 metros para dentro da loja, tudo funcionará.

É UMA LEI DA NATUREZA, O SHOPPER NECESSITA DE UMA PISTA DE POUSO QUANDO ENTRA NA LOJA.

 

Tags

  • #CatMan
  • #trademarketing. # Paco Underhill
  • comodidade
  • Copa do mundo
  • design:retail
  • Envirosell
  • GC
  • oportunidades
  • Paco Underhill
  • Pesquisa
  • retail
  • Shopper
  • shopper centric culture
  • shoppermarketing
  • shopping experience
  • Trabalho
  • trademarketing